Bull: It’s Classified (1×14)

Jason Bull, o polígrafo humano. Sim, eu sei, os dons de Bull foram bem exagerados neste episódio, as situações em si foram, mas eu simplesmente amei como ele funcionou bem – além do que, deu aquela nostalgia boa lembrando de um dos meus episódios favoritos em The Good Wife quando Alicia também precisa encarar “cavernas” para defender um membro da força militar acusado.

Em It’s Classified, essa coisa toda do sigilo militar ganha ainda mais  importância: em algumas horas ela é quase alívio cômico, seja pelas reações de Benny ou pela forma como ele se segurar para não falar o que viu ou ouviu na sala quando Bull segura em suas mãos para “ler” as respostas (poxa, realmente ele devia ter pago uma bebida antes para o Benny, eu ia surtar com alguém tão próximo de mim assim); em certas horas ela o “x da questão”, é a dificuldade a ser enfrentada para que Bull ganhe o caso; e, na maior parte do tempo, ela é o motivo pelo qual queremos ver os militares pelas costas e torcemos enormemente pela ré.

O fato da equipe ser hackeada, tendo toda sua estratégia desmontada, e do caso em questão esbarrar nos interesses do FBI foram apenas temperos adequados para tirar o episódio da mesmice.

O episódio em que Bull perdeu.

Não, não dá para falar isso, gente!! Eu confesso que nem lembro, se é que citaram, qual era a tal quarta acusação em que Tamsin foi condenada, mas ela conseguiu sair inocentada de todas as outras, algo totalmente inesperado se considerarmos o panorama inicial da história e o fato de que, àquela altura, ela nem mais advogado tinha.

Sim, eu sei, o fato de Bull encontrar uma forma de amenizar a perda dela recorrendo ao comandante que tinha um histórico que favorecia ele ser compreensivo foi só para que nós não terminássemos o episódio completamente decepcionados.

P.S. Benny e Bull: gostei muito de Bull explicar ao Benny que existem segredos que precisam ser mantidos guardados. Acho que ele tem razão. E entendo Benny chateado.

P.S. do P.S. A cara do Chuck pela sessão polígrafo de Benny e Bull: não tem preço.

P.S. do P.S. do P.S. Frase da Marissa a ser lembrada: “Desculpe. Nós confidencializamos muitos documentos. Escrevemos “Ultra secreto” por ser mais fácil e nos safarmos, e não por ser realmente algo que não deve ser revelado.”

 

Leave a Reply